Pesquisar neste blog

domingo, 13 de março de 2011

Sofia

Wilson Horvath



Sofia

Vivendo, envolto pelo mundo das sombras,
onde tudo é conhecido, atraente e logico;
me deparo com ti...

Teus traços revelam uma beleza que nunca contemplara.
Selvagem e guerreira.
Teu corpo esbanja vida,
vida em abundância!

Todo o meu ser se agita e movo-me a fim de te possuir...
porém, ao estar prestes a ter contigo,
tu foges...
permitindo-me apenas
tocar as pontas de teu cabelo.

Caio por terra, sofrendo tua falta.
Desejo me matar...
Antes, porém, de enfiar o punhal em meu peito;
levanto os olhos, fazendo minhas últimas preces,
e vejo-te novamente.

No alto de uma montanha,
tu sorris para mim.
E com um delicado movimento,
chamas-me.

Levanto, desesperadamente e corro em tua direção.
O caminho é irregular, caio várias vezes,
machucando todo o meu corpo.

Chego a um lugar iluminado
preciso de certo tempo para acostumar minha visão.
Aqui tudo é estranho!
Nada sei!

Então, tu te aproximas,
seguras minha mão
e começas a me explicar.

Tua voz é tão doce e sensual.
Eu nunca fora tão feliz.
Tudo aqui é mais belo!

Mas novamente me abandonas.
Só que agora,
tu me deixas em um lugar desconhecido.
Minha aristotélica-lógica é vã,
neste lugar.

Ó Sofia, por que tu fizeste isso comigo?
Que pecado eu cometi para receber tamanha punição?
Quem és?

Um ággelos que trouxe uma mensagem divina?
Um perverso diábolos que me trouxe ao caos?
Os dois?
Deus e o diabo são um só?

Eu te odeio Sofia!
Me deixes viver em paz!
Nas sombras.

Eu te amo Sofia,
vem, faça amor comigo,
não me deixes só.

Eu te quero, eu te desejo.
Eu te amo,
Sofia!