Pesquisar neste blog

domingo, 23 de novembro de 2014

Sentido da Vida

Wilson Horvath
Pra que viver?
Comer, beber?
Chorar e sofrer?

Se é preciso
cedo despertar
para até tarde
ralar?

A fim de comprar,
e depois,
mais trabalhar
para pagar?

A Felicidade estará
sempre adiada
no produto da vitrine!?

E ao adquiri-lo,
já estará ultrapassado,
exigindo
uma nova prorrogação?

Os amigos,
os amores
serão medidos
por suas contas?

Ao encarar tudo mercadoria,
não tornamos,
nós próprios,
uma forma de liquidação?

Levará quem
paga mais!?
Comprará o que
há de mais precioso...?

Nossa alma,
nosso corpo,
nossa vida
estão à venda?

E para isso
que vivemos?
Foi somente nisso
que transformamos
nosso existir?

Se Deus existir,
foi para isso
que fomos criados?

Se não existir,
assim que aproveitamos
nossa curta existência?

Que diferença
faria se não
existíssemos?

O mundo teria
apenas um consumidor,
poluidor e devastador
a menos?

Qual o legado
deixando?
Que lembranças
deixaremos?
Quem se lembrará?

É esse o sentido
da vida?

Se assim for,
tem ela algum
sentido?

Mas pode ela
não ter sentido?
Não!

Mas...
Onde estará os
seus porquês?

Talvez, não devemos
mudar a direção?
E caminhar em busca
de seu sentido?

E, no caminho,
podemos encontrar