Pesquisar neste blog

sábado, 7 de maio de 2011

7. Questão sobre Mitologia

(UEG – 2008) O mito representa a principal forma de conhecimento da humanidade. Os homens explicavam a realidade à sua volta através da narrativa sem rigor racional. A inquietação e a curiosidade são características da natureza humana e, por isso, originariamente, o homem antigo ficava apavorado diante dos fenômenos que o rodeavam: morte, guerra, tempestades, trovões, raios, vulcões, terremotos, nascimento, sonho, sono, marés etc. O mito procurava responder às inquietações do homem e seu pavor inicial diante desses fenômenos naturais, para cada qual o homem fez intervir uma força sobrenatural para explicá-lo. Os gregos foram aqueles que criaram as mais belas mitologias do Ocidente, mas ao mesmo tempo foram os que por primeiro romperam com a linguagem mitológica, criando a filosofia e as ciências. Num confronto entre mito e filosofia, vê-se de imediato uma grande diferença, sobretudo na linguagem. Sobre o conceito do mito, é CORRETO afirmar:

a) Foi bem definido por Heráclito de Éfeso, um dos maiores pré-socráticos, o qual dizia que o mito se assemelha ao ser que está em constante movimento ou devir e, por isso, tinha a função de explicar parcialmente a realidade dos homens gregos.
b) Pitágoras, um dos sábios da Antiguidade, procurou explicar racionalmente o cosmos como algo originado e constituído de números, dando assim a primeira visão mecanicista do universo. Por isso, é considerado um dos maiores criadores de mitos da cultura grega.
c) Platão, discípulo de Sócrates, usava como método expositivo o diálogo. No livro VII de sua obra A República, narra a alegoria da caverna, na qual descreve o processo cognitivo, os graus do ser e a dinâmica da alma na busca das verdades eternas, ou essências puras, que só se encontram no hiperurânio. Isto significa que, para Platão, o mito é algo superior ao uso discursivo da razão, algo sempre limitado, pois expressa a natureza frágil do homem.
d) O mito é uma forma de narrativa fantasiosa a respeito dos acontecimentos da vida e da natureza. Possui certa lógica interna, pois procura expressar a ordem entre os seres. A filosofia grega não nega totalmente o valor do mito, mas acaba por suplantá-lo na elaboração de uma nova linguagem, que expressa uma racionalidade de suas possibilidades, como se pode verificar em Aristóteles, na sua valorização da poética, da retórica, da dialética e da analítica.