Pesquisar neste blog

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Ódio

Wilson Horvath

Ódio incontrolável
pulsando pelas veias.
Líder supremo
da razão e emoção.

Ódio contido,
sufocado!
Alimentado com a repressão
 pelo mais forte.

Quer vingar,
extravasar,
destruir.

Sempre à espreita,
procurando as brechas
do superego,
e da moral.

Ele sairá...
ou de cara limpa,
nu e cru.

Ou revestido do amor religioso;
dos bons costumes;
do ardor reacionário.

Mas sairá...!
E fará alguém sofrer,
o que padeceu.

Sempre haverá
uma mulher
para apedrejar.

Pode chamá-la
de puta, bruxa,
bicha, maconheira,
comunista.

Não importa a titulação,
só interessa
o prazer da explosão.

Ódio, ódio, ódio!
Até quando
será só ódio?

Quem romperá
o círculo destrutível?
Quem jogará
a primeira ROSA?