Pesquisar neste blog

domingo, 18 de dezembro de 2011

Tristeza

Wilson Horvath
Tristeza, tristeza!
Sentimento aprisionante.

O contrário da alegria,
essa acontece ao acaso,
de repente, esporadicamente
e vai embora!

A tristeza começa imperceptível,
e, aos poucos,
vai corroendo toda a nossa vitalidade,
enraizando no mais profundo de nosso Ser.

A tristeza se alimenta
de tudo o que há,
engrandece com os fatos ruins
e torna os bons
sem gosto nem importância.

A tristeza é soberana,
não é possível dela fugir.
E ao mascará-la,
ela se torna mais forte.

É preciso parar,
sentar e chorar
a tristeza.

Ela é soberana,
mas, não é eterna!
Se quisermos destruí-la,
precisamos cortar suas raízes,
presentes em tudo aquilo,
que havíamos projetado.

E construir novos caminhos,
os quais,
a tristeza ainda não conhece.
E quiça,
neles, 
encontraremos alguma felicidade!