Pesquisar neste blog

segunda-feira, 14 de março de 2011

O DECÁLOGO DA PESQUISA

DEZ PASSOS METODOLÓGICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA

(Roteiro elaborado pelo Prof. José J. Queiroz)

1º Passo. O tema. Seu enunciado. O título do Projeto.

Critérios para a escolha do tema:
a) deve nascer de um interesse pessoal (empatia, atração);
b) corresponder às linhas de pesquisa e às prioridades políticas do Programa;
c) responder às demandas da sociedade (aos problemas e desafios);
d) ser factível: campo acessível, bibliografia possível, disponibilidade de tempo, etc.
f) evitar temas compilatórios e panorâmicos;
O enunciado do tema ou título. Sempre deve ser dado um título ao Projeto ainda provisório.

Título geral: é amplo e chamativo;
Título específico, ou técnico ou subtítulo: deve aproximar-se do objeto. Tanto melhor será quanto mais refletir o objeto.

2º Passo. A apresentação do tema

Deve explicitar:
a) a motivação do autor;
b) o estado da questão;
c) a justificativa ou a importância do tema.

3º Passo. Enunciar com clareza o objeto e seus limites.

O objeto (obiectum) é o alvo da investigação, demarcado com precisão. É o
ponto central do trabalho. Essa demarcação possibilita evitar pesquisas panorâmicas e superficiais.
Ex. : A mira do tiro ao alvo

Critérios demarcatórios:

a) espacial (localização do objeto);
b) temporal (período ou época em que o objeto será estudado);
c) pessoal (pessoas ou segmentos sociais a serem investigados;
d) prisma ou enfoque da abordagem; e) autor ou autores a serem trabalhados.
Dependendo do objeto, esses critérios serão invocados em conjunto ou em parte.

4º Passo. Explicitação do(s) problema(s)

São as indagações centrais e periféricas que despontam do objeto e deverão ser respondidas no corpo da dissertação.
Devem ser sóbrias e claramente formuladas.

5º Passo. Hipótese

Opção do autor por uma determinada posição frente ao(s) problema(s)
levantado(s). É um encaminhamento preliminar do(s) problema(s), que constitui a idéia central do trabalho e será objeto de demonstração. Todo discurso científico pretende demonstrar uma posição a respeito do tema (objeto) problematizado. Evitar hipóteses óbvias.

6º Passo. Objetivos do trabalho

Não se confundem com o objeto.
Objeto: é o núcleo central do trabalho, seu alvo exatamente demarcado.
Objetivos: são resultados específicos que o autor pretende alcançar com a
Dissertação. São múltiplos, dependendo do objeto: clarear uma situação, aprofundar um tema pouco explorado, oferecer subsídios para a prática pedagógica, analisar, discutir e até refutar posições e teorias, aplicar os resultados a determinado campo,etc.

7º Passo.Quadro teórico

O que é? Não é citação de obras.
São categorias de análise pelas quais o autor opta. A opção depende das
tendências teóricas e políticas do próprio autor e da índole do objeto. Esses referenciais teóricos devem constituir um conjunto de conceitos e princípios sistemáticos, lógicos e coerentes.

Funções da teoria na Dissertação ou Tese:

a) clarear os conceitos fundamentais;
b) iluminar o objeto;
c) fundamentar e desenvolver as posições (hipóteses) do autor.
O quadro teórico não é camisa de força para enquadrar os dados empíricos
dentro da teoria. Não pode ser eclético: mistura de referenciais contraditórios e excludentes. Evitar o sincretismo.
Quanto ao uso da teoria na Dissertação ou Tese, dois caminhos: a) elaborar um capítulo teórico; ou então b) diluir os referenciais teóricos ao longo das análises, em especial no capítulo central demonstrativo das hipóteses. O segundo caminho é mais recomendado.

8º Passo. Procedimentos metodológicos e técnicos.

Enunciar os caminhos probatórios, as ferramentas de coleta do material para
trabalhar o objeto e provar as hipóteses.
Método é o procedimento geral do raciocínio: pode ser dedutivo (do geral ao
particular); indutivo (do particular ao geral); ou misto (dedutivo-indutivo). Podem ser também procedimentos em prevalência teóricos, históricos, empíricos ou simultaneamente histórico-teórico-empíricos.
O procedimento técnico é constituído pelos instrumentos a serem utilizados para colher os dados do campo empírico: observação de campo, pesquisa participante, entrevistas (abertas, em profundidade ou fechadas), questionários (quais, quantos, e com quais questões?), coleta de documentos; consulta a arquivos (quais, onde e como?)etc.

9º Passo. Plano Provisório e Cronograma do Trabalho.

Ainda que provisoriamente, já no Projeto deve constar uma distribuição da
Dissertação ou Tese em Partes (se necessário) ou Capítulos.
Trata-se de um roteiro preliminar do trabalho, uma primeira organização do
corpo da futura Dissertação ou Tese.
Partes e ou capítulos são as colunas mestras do trabalho. O Plano é fundamental porque já estabelece linhas organizadas para as leituras, para a coleta dos dados teóricos e empíricos. Evita ler e colher dados a esmo.
O plano pode ser alterado no decorrer do trabalho.
O enunciado das partes e dos capítulos deve ter como preocupação responder às indagações e provar as hipóteses.

Cronograma.

Genérico: enquadrar os prazos do Projeto nos prazos gerais do mestrado ou do doutorado. Tendência atual da CAPES: prazo de dois anos para o mestrado.
Ex.: 1º. Semestre: Pré-Projeto; 2º. Semestre: Qualificação do Projeto;
3º. Semestre: Redação da I Parte; 4º. Semestre: Redação da II Parte: Defesa
Isso é possível?
Esses prazos podem ser detalhados em prazos bimestrais ou em tarefas . Ex.:
Projeto qualificado: 6 meses.
Coleta definitiva do material teórico: 6 meses. Pesquisa de campo: 3 meses. Redação definitiva do texto: 9 meses. Total: 24 meses.

10º. Passo. Bibliografia inicial

Obras. Artigos. Documentos Publicados ou Originais e Inéditos,Reportagens. Filmes. Vídeos, Internet, etc.
Como citar a bibliografia: vide as normas da ABNT (Associação Brasileira de
Normas Técnicas) ou Antonio Joaquim Severeno, Metodologia do Trabalho Científico
Observação final. Embora este roteiro tenha o título de “Decálogo”, não se trata de uma camisa de força, mas de indicações a serem usadas criativamente.Inúmeros projetos de Dissertação de Mestrado e Teses de Doutorado em vários Programas de Pósgraduação foram elaborados seguindo esses passos e os resultados foram muito satisfatórios.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ECO, Umberto. Como se faz uma tese. 1ª. Reimpressão. São Paulo: ed. Perspectiva, 2004.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 22ª. Ed. São Paulo: ed. Cortez, 2004.